Dietas vegana e vegetariana melhoram HbA1c e reduzem risco de doença cardiovascular no diabetes tipo 2As - Scenika - Biostock
40
post-template-default,single,single-post,postid-40,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,paspartu_enabled,paspartu_on_bottom_fixed,qode-theme-ver-16.2.1,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

Dietas vegana e vegetariana melhoram HbA1c e reduzem risco de doença cardiovascular no diabetes tipo 2As

As alimentações vegana e vegetariana ajudam a reduzir os níveis de hemoglobina glicada (HbA1c) e colesterol, e melhoram o perfil de outros fatores de risco cardiometabólico nas pessoas de meia-idade com sobrepeso e que controlam o diabetes tipo 2 com medicamentos, segundo os autores de uma revisão da literatura publicada on-line no periódico Clinical Nutrition.

Effie Viguiliouke colaboradores do Clinical Nutrition and Risk Factor Modification Center, no St. Michael’s Hospital, em Toronto (Canadá) analisaram os resultados de nove ensaios clínicos randomizados com 664 participantes recebendo hipoglicemiantes orais, insulina, hipolipemiantes e/ou anti-hipertensivos.

Os pesquisadores constataram que a alimentação vegetariana melhorou o desfecho primário da HbA1c em 0,29%, em comparação à alimentação não vegetariana.

Embora a redução da HbA1c possa parecer discreta, Cara Schrager, do Joslin Diabetes Center, em Boston, Massachusetts (EUA), observou que essa melhora corresponde ao limiar terapêutico utilizado pela Food and Drug Administration (FDA) como critério ao considerar novos remédios contra o diabetes.

Cara disse ao Medscape que esse grau de redução sugere que os pacientes podem considerar a adoção de uma alimentação sem carnes, composta principalmente de vegetais, frutas, cereais integrais e legumes, antes mesmo de começar a tomar medicamentos para o diabetes.

Vegetarianismo também ajuda a reduzir o IMC

Ao comparar a alimentação vegetariana à não vegetariana, os resultados também indicaram redução de: glicemia de jejum (- 0,56 mmol/L); LDL (- 0,12 mmol/L); colesterol não-HDL (- 0,13 mmol/L); peso corporal (- 2,15 kg); índice de massa corporal (- 0,74 kg/m2) e circunferência abdominal (- 2,86 cm).

Não foram observadas diferenças significativas dos níveis de pressão arterial, insulina de jejum, HDL ou triglicerídeos.

A meta-análise considerou como vegetarianas apenas as dietas que excluíam carne vermelha e branca – de vegana (sem produtos de origem animal) a vegetariana, que inclui ovos e laticínios.

Os autores destacaram que o vínculo entre diabetes e doença cardíaca é forte e bem comprovado.

“De 60% a 70% das pessoas com diabetes tipo 2 morrem de doenças cardíacas”, afirmou a coautora Dra. Hana Kahleova, diretora de pesquisa clínica do Physicians Committee for Responsible Medicine, em um comunicado à imprensa.

“Este estudo mostra que mesmo uma prescrição simples (adotar a alimentação vegetariana) pode reduzir o risco de problemas cardíacos e melhorar o diabetes tipo 2 de uma vez só”.

Os pesquisadores reconhecem, no entanto, que os achados têm um nível de confiança de baixo a médio, e incentivam mais estudos sobre o tema.